Funcionários dos Correios de Patos de Minas denunciam assédio moral

13/03/2018 10:35:42

Redação Clube Notícia

Funcionários dos Correios de Patos de Minas denunciam assédio moral

Funcionários dos Correios de Patos de Minas se dizem vítimas de assédio moral. A denúncia foi feita nesta manhã, durante manifestação da categoria – que ocorreu em frente à sede principal da empresa, na Rua José de Santana – em prol dos diretos dos trabalhadores da estatal. Segundo depoimento dos carteiros, falta efetivo, e muitos funcionários trabalham sem horário de almoço e mais de 12 horas por dia. “Há colegas nossos que trabalham das 07h às 22h, sem pausa para o almoço. É um absurdo”, disse um funcionário que preferiu o anonimato.

Em entrevista para a Rádio Clube, o representante do Sindicato da categoria, conhecido com “Gil Carteiro”, denunciou os supostos abusos praticados pela direção local da empresa e cobrou melhorias para a classe. “Somos vítimas de assédio moral, trabalhamos com pouco efetivo, em jornadas de trabalho abusivas e completamente injustas com o trabalhador. Esse Governo [Federal] acabou com a gente, nos destruíram. Isso tudo é uma tentativa de terceirizar os Correios e acabarem nossos empregos. Lamentável”, contou o representante.

Segundo os funcionários da empresa, a população de Patos de Minas está correta em reclamar dos serviços prestados, pois não há condições mínimas de trabalho. Eles alegaram haver mais de 150 mil cartas para serem entregues por apenas 13 funcionários. Segundo os cálculos do sindicato, a cidade necessitaria de, pelo menos, mais 10 carteiros. “Não temos concurso público desde 2011. Patos de Minas precisa de, no mínimo, 23 carteiros. Somos 13 apenas; é um absurdo. Nós entendemos as reclamações da comunidade e, assim como eles, nós sofremos também, pois somos vítimas de um regime praticamente escravagista”, comentou “Gil Carteiro”.

Através de nota em seu site oficial, os Correios avaliaram que “um movimento dessa natureza, neste momento, serve apenas para agravar ainda mais a situação delicada pela qual passa a empresa e afeta, inclusive, os próprios empregados”.

Comentários

  • Na Real

    Comentário enviado em - 13/03/2018

    Será que só exista o CORREIO, como fonte empregadora, se o CORREIO, não existir amanhã, o mundo acabaria?! Se vocês estão passando por isto, a culpa não do governo federal, a culpa é de vocês mesmo que resolveram perfilar as fileiras do PT, que os assaltou no seu fundo de pensão, e levou a condição que vocês tinha no passado! Tudo que se planta colhe, oque é engraçado no Brasil, que o empresário da iniciativa privada, tem que pagar todos os impostos em dia manter a folha salarial em dia, se não fizer, sua falência é decretada! Mas aqui é assim, um Governador Ladrão, fatia o salario do funcionalismo, ao mesmo tempo as empresas estatais, que de sua responsabilidade, cobra a fatura integral do mesmo funcionalismo e se não paga em dia, tem que pagar multas e juros! Aqui Prefeituras, governos estaduais, governos federais, não respeita as leis trabalhistas e nada acontece; país das imoralidades, mas aqueles senhores de toga preta, recebe em dia, integralmente, recebe uma serie de benefícios, aposentadorias bem gordas, mas quem quebra a previdência social, são as aposentadorias de um salario mínimo! A classe que hoje não está nem aí para a comunidade são exatamente os funcionários dos Correios, pois recebe antecipado para prestar um serviço, e o faz com a maior desfaçatez!

  • José Augusto

    Comentário enviado em - 13/03/2018

    Meu segundo emprego e primeiro aos 18 anos foi em uma agência dos Correios como carteiro. Na época não existia Sedex, as malas dos Correios chegavam de ônibus e retornavam para CDE. Éramos 02 carteiros pra uma cidade 15.000hb na época e uma cidade montanhosa. Era difícil, qualquer carta simples era tão prioritária quanto uma registrada. Certa vez o diretor apareceu num sábado após a agência fechar, e viu na mesa 01 carta sem ser entregue. Me pegou, levou até o endereço pra confirmar que o destinatário já não morava no endereço no fim da cidade, na época um imponente opala chapa branca. Esclareceu que ali naquela carta poderia estar uma notícia importante, relato de um familiar, e que jamais poderia sobrar nenhuma a ser entregue, fora telegramas que era urgente. Hoje...funcionários desvalorizados, prioridade somente no Sedex e carta social ou contas quando der. Hoje tem veículos Sedex a todo momento ou seja pagou caro chega, registrou ou foi modo simples quando der....ou seja, a função ficou correspondente bancário e pondo a vida dos funcionários e clientes em risco já não há seguranças....

  • Fabiano

    Comentário enviado em - 13/03/2018

    vcs tem que subir la em cima para ver a real situaçao, caixas e mais caixas de cartas paradas