Zema anuncia onda roxa em todo estado, Patos de Minas e região continuará mais 15 dias na fase mais restritiva do plano

logo-face
logo-face
Zema anuncia onda roxa em todo estado, Patos de Minas e região continuará mais 15 dias na fase mais restritiva do plano

O governador Romeu Zema anunciou, na noite desta segunda-feira (15/3), que a partir desta quarta-feira (17/3), todas as regiões de Minas Gerais entrarão na onda roxa, para conter a disseminação da covid-19. A princípio, a medida terá validade por 15 dias. Somando o decreto municipal e as duas classificações na onda roxa pelo governo estadual, o comércio patense, poderá completar 45 dias com restrições de funcionamento. 

A decisão foi comunicada durante reunião com prefeitos e representantes de consórcios municipais de saúde, em que foi relatado o agravamento da situação em todas as macrorregiões do Estado. Zema afirmou que a situação atual é a mais grave desde o início da pandemia, em que os hospitais estão no limite de leitos disponíveis e muitas pessoas não estão respeitando as medidas de isolamento.

“É uma medida dura, mas extremamente necessária neste momento para evitar um cenário pior do que já estamos vivendo. Faço um apelo a todos os mineiros: precisamos manter as medidas de proteção e distanciamento social. Não vamos deixar que o cansaço nos vença. Por favor, respeite e colabore para que possamos vencer essa guerra”, afirmou Romeu Zema, em vídeo divulgado nas redes sociais após a reunião.

A decisão de estender a onda roxa para todo o Estado foi tomada, segundo o governador, após ouvir os especialistas em saúde e o comitê de enfrentamento à covid-19, sobre a necessidade de adotar medidas mais restritivas e obrigatórias.

“As filas nos hospitais só têm aumentado. Sabemos que a solução definitiva para esse cenário é a vacinação. Ela está mais rápida, mas ainda é insuficiente para garantir a queda na busca por atendimento médico. Por isso, não nos resta opção a não ser adotar medidas mais restritivas. É uma questão humanitária, para não assistirmos cenas de horror”, disse Zema aos prefeitos.

Os prefeitos que participaram da reunião manifestaram apoio à decisão anunciada pelo governador.

Medidas restritivas

O novo secretário de Estado de Saúde, Fábio Baccheretti, também participou da reunião com os prefeitos e reforçou a importância das medidas restritivas que estão sendo anunciadas.

“Nos últimos três dias o número de pacientes retidos aguardando vagas, especialmente em terapia intensiva aumentou de forma exponencial. Diferente de todo o cenário vivido nos últimos 12 meses, desde o início da pandemia, a gente desta vez vive um cenário único, que é todo o Estado sofrendo muito ao mesmo tempo com a pandemia. A Secretaria da Saúde fez uma grande expansão de leitos, os municípios também fizeram, mas chegamos num momento de limite operacional”, disse o secretário.

Fiscalização

Também presente na reunião desta segunda-feira, o comandante-geral da Polícia Militar de Minas Gerais, coronel Rodrigo Rodrigues, disse que a corporação vai atuar de forma ainda mais integrada com as guardas municipais para garantir que as recomendações previstas para a onda roxa sejam cumpridas nos municípios.

“Vamos reforçar os nossos turnos, principalmente nos horários de 15h às 23h e 23h até as 6h, para evitar a circulação. Onde não há guardas municipais, a própria Polícia Militar está sendo orientada para dar esse apoio aos municípios. Principalmente em relação a aglomerações em sítios, pessoas fazendo churrasco. Vamos atuar efetivamente, como foi feito durante o Carnaval”, explicou.

Onda roxa

Conforme Deliberação nº 130, de 3 de março de 2021, do Comitê Extraordinário Covid-19, durante a vigência da onda roxa, somente poderão funcionar as seguintes atividades e serviços, e seus respectivos sistemas logísticos de operação e cadeia de abastecimento e fornecimento.

I – setor de saúde, incluindo unidades hospitalares e de atendimento e consultórios;
II – indústria, logística de montagem e de distribuição, e comércio de fármacos, farmácias, drogarias, óticas, materiais clínicos e hospitalares;
III – hipermercados, supermercados, mercados, açougues, peixarias, hortifrutigranjeiros, padarias, quitandas, centros de abastecimento de alimentos, lojas de conveniência, lanchonetes, de água mineral e de alimentos para animais;
IV – produção, distribuição e comercialização de combustíveis e derivados;
V – distribuidoras de gás;
VI – oficinas mecânicas, borracharias, autopeças, concessionárias e revendedoras de veículos automotores de qualquer natureza, inclusive as de máquinas agrícolas e afins;
VII – restaurantes em pontos ou postos de paradas nas rodovias;
VIII – agências bancárias e similares;
IX – cadeia industrial de alimentos;
X – agrossilvipastoris e agroindustriais;
XI – telecomunicação, internet, imprensa, tecnologia da informação e processamento de dados, tais como gestão, desenvolvimento, suporte e manutenção de hardware, software, hospedagem e conectividade;
XII – construção civil;
XIII – setores industriais, desde que relacionados à cadeia produtiva de serviços e produtos essenciais;
XIV – lavanderias;
XV – assistência veterinária e pet shops;
XVI – transporte e entrega de cargas em geral;
XVII – call center;
XVIII – locação de veículos de qualquer natureza, inclusive a de máquinas agrícolas e afins;
XIX – assistência técnica em máquinas, equipamentos, instalações, edificações e atividades correlatas, tais como a de eletricista e bombeiro hidráulico;
XX – controle de pragas e de desinfecção de ambientes;
XXI – atendimento e atuação em emergências ambientais;
XXII – comércio atacadista e varejista de insumos para confecção de equipamentos de proteção individual – EPI e clínico-hospitalares, tais como tecidos, artefatos de tecidos e aviamento;
XXIII – de representação judicial e extrajudicial, assessoria e consultoria jurídicas;
XXIV – relacionados à contabilidade;
XXV – serviços domésticos e de cuidadores e terapeutas;
XXVI – hotelaria, hospedagem, pousadas, motéis e congêneres para uso de trabalhadores de serviços essenciais, como residência ou local para isolamento em caso de suspeita ou confirmação de covid-19;
XXVII – atividades de ensino presencial referentes ao último período ou semestre dos cursos da área de saúde;
XXVIII – transporte privado individual de passageiros, solicitado por aplicativos ou outras plataformas de comunicação em rede.

As atividades e serviços essenciais acima deverão seguir o protocolo sanitário previstos pelo plano Minas Consciente e priorizar o funcionamento interno e a prestação dos serviços na modalidade remota e por entrega de produtos.

As atividades de operacionalização interna dos estabelecimentos comerciais e as atividades comerciais que se realizarem por meio de aplicativos, internet, telefone ou outros instrumentos similares, e de entrega de mercadorias em domicílio ou de retirada em balcão, vedado o consumo no próprio estabelecimento, estão permitidas, desde que respeitados o protocolo citado acima.

Com informações: Agência Minas

Comentários

  • Marfizza

    Comentário enviado em - 16/03/2021

    Quanto ao auxílio municipal, quado será liberado, só restringir, fechar, fiscalizar não basta, a população precisa se manter, todos os outros estados tem o auxílio emergencial municipal, e quanto a nós mineiros?

  • Na Real

    Comentário enviado em - 16/03/2021

    Diz o ditado "Bíblico": Me conta com quem tu andas que lhe direi quem tu es! Então galinha que acompanha "Pato", acaba morrendo afogada! Agora os "Asnos da politica Brasileira", não só comem capim não, eles também sofre "Coprofagia", além de terem merda na cabeça, as comem também! Será que estes filhos de "Meretrizes", não tem um descofiometro, será que este filhos de "Quenga", não conseguem enxergar além da ponta do nariz?! Há um ano que estes desgraçados estão com á mesma cantilena, e nada se resolveu! Vieram com esta porcaria de vacina, que não tem comprovação cientifica, e estão enfiando na população e os casos só aumentando! Começaram á vacinar na "África do Sul", surgiu uma nova "Cepa"; oque o governo fez?! Suspendeu á vacinação! Mas aqui estes estes vagabundos desses secretários de saúde que não sabem de nada, toma estas medidas e os "Otários" dos governantes vão atrás! Na "Europa", já viram que o tal de restrições não deu certo e que as vacinas não tem eficácias, já estão partindo para o tratamento profilático; mas aqui continuam com as mesmas coisas, os casos só aumentando e a população morrendo! Morrendo por incapacidade médica, por inoperância; cadê o "HOSPITAL DE CAMPANHA" de Belo Horizonte, aonde o governo gastou uma fortuna na sua montagem e não atendeu ninguém, e o "Digníssimo Governador", mandou desmonta-lo, e agora que precisaria dele... cadê?! Eu tenho conhecimento do "Protocolo da Universidade de Rio Branco, no Acre; e para todas as pessoas que eu indiquei o mesmo, e o fizeram, todos se recuperaram com á maior facilidade, mas ele é baratinho, não tem como os governantes roubarem, então não tem como eles recomendarem á sua aplicação! Então agora chegou á hora da desobediência "Civil"! Já passou da hora do "Romeu Crediário Zema", voltar a cuidar da suas empresas, que só vendem produtos de baixíssima qualidade, á preço de mercadorias de primeira; já o nosso "Prefeito Denorex", tem que voltar á atuar de flanelinha, pois á única coisa que ele entende é de vaga de "ESTACIONAMENTO"!

  • Na Real

    Comentário enviado em - 16/03/2021

    Eu gostaria de responder á Marfizza: Auxilio emergencial do município aonde, se o mesmo está na condição de pedinte! Eu já mendigo brigando por ponto, agora dividir o saldo da esmola eu nunca ví!