Mais de cem pacientes com câncer, de Patos e região, não iniciaram tratamento; problema envolve crise no São Lucas

logo-face
logo-face
Mais de cem pacientes com câncer, de Patos e região, não iniciaram tratamento; problema envolve crise no São Lucas

Pelo menos 145 pacientes com câncer, de Patos de Minas e cidades do Noroeste Mineiro, ainda não iniciaram tratamento. O problema envolve a crise no Hospital São Lucas (HSL) e o contrato com a Clínica de A a Z do Alto Paranaíba. De acordo com portaria do Ministério da Saúde, aqueles que são diagnosticados com a doença têm de receber tratamento em, no máximo, 30 dias. A situação força a transferência dos atendimentos para Uberaba, no Triângulo Mineiro.

De acordo com o Conselheiro Estadual de Saúde, Pedro Israel da Cunha, o impasse está na atuação do HSL. A Clínica de Oncologia realiza os procedimentos de radioterapia e quimioterapia, e o Hospital oferece as cirurgias oncológicas. No entanto, o São Luas deixou de prestar esse serviço. “As dificuldades financeiros do Hospital geram esse problema e ele não está fazendo esse serviço”, destacou Pedro.  

A medida também implica na transferência de recursos – hoje aplicados em Patos de Minas – para o Hospital Hélio Angotti (Hospital do Câncer do Triângulo), localizado em Uberaba. O dinheiro vem de vários municípios da região e são transferidos para o Fundo Municipal de Saúde, regulamentado pelo Ministério da Saúde. “Agora falta pouco para gente transferir nossos pacientes. A Superintendência Regional de Saúde já autorizou, falta apenas a chancela do diretor do Hélio Angotti”, disse.

Enquanto o impasse não é solucionado, os pacientes seguem aguardando tratamento. Para o Conselheiro, a situação é gravíssima. A transferência dos recursos foi acordada em reunião realizada na última semana, em Paracatu. O encontro reuniu gestores da saúde de toda região.

Por: redação Clube Notícia.

Comentários

  • Na Real

    Comentário enviado em - 02/12/2019

    No São Lucas se morre de diarreia, este hospital não tem condição de continuar funcionando, quem entra para fazer algum tratamento lá, esta recebendo antecipadamente, o seu atestado de óbito com antecedência... sempre foi assim! Agora eu quero saber porque, se o "E-SUS", esta cançado de saber da situação desde hospital, e continua mandando pacientes para lá?! Imbecil, não é a pessoa que ignora, mas é a pessoa que tem á informação correta mas continua á ignora-la! Agora eu não sei qual é a real função de um conselheiro de saúde que da qual este senhor exerce, mas para o meu conceito, conselheiro, é o mesmo que tem influência, e pode até ter poder de decisão,mas parece que este não é o caso, mas para dar incentivo para a greve de funcionários da saúde ele´e ótimo!