Mudança de horário pode pôr fim ao cochilo em aula

logo-face
logo-face
Mudança de horário pode pôr fim ao cochilo em aula

A estudante Maria Fernanda Veríssimo, 16, tenta, mas nem sempre consegue, dormir cedo para acordar às 5h30 e ir para a escola. Ela diz já estar acostumada a essa rotina, mas conta que a maioria dos colegas sempre cochila nos primeiros horários. Esse comportamento é reflexo de um déficit, comum a quase todos os adolescentes, de mais ou menos duas horas de sono por dia. Dados internacionais revelam que quase 3/4 dos jovens dormem menos de oito horas por noite e mais de 2/5 dormem seis horas ou menos.

Para os especialistas, como os adolescentes estão indo se deitar cada vez mais tarde – também por conta do excesso de estímulos recebidos por essa geração sempre conectada –, a privação crônica do sono está gerando uma série de problemas comportamentais, além de prejudicar o desempenho escolar. A recomendação, segundo a Associação Brasileira do Sono (ABSono), é que o adolescente durma de nove a dez horas por noite, mas pesquisa da entidade mostra que o tempo médio de sono dos jovens durante a semana é de seis a sete horas. “Se eu tenho que dormir menos, quando chego na escola, às vezes o olho começa a ‘pesar’, e isso dificulta muito assistir às aulas”, diz Maria.

Diante disso, a ABSono, alinhada com a Academia Norte-Americana de Pediatria e com o movimento Start School Later, lançou uma campanha propondo às escolas atrasar o início das aulas do ensino médio para 8h30 em 2020. Neste ano, a Califórnia se tornou o primeiro Estado norte-americano a adotar essa mudança na maioria das escolas públicas, com a esperança de que a medida ajude os adolescentes a ter um melhor aprendizado.

Bruno de Lucca, 18, é totalmente a favor da mudança. Ele concluiu neste ano o ensino médio e lembra muito bem como sofreu para acordar às 6h todos os dias depois de ir para cama à meia-noite. “Isso me atrapalhava demais a concentrar. Sempre fui a favor”, disse.

Mudança

No Brasil, chegou a tramitar na Câmara dos Deputados um Projeto de Lei que propunha essa mudança em escolas públicas e privadas de todo o país. Porém, o PL do então deputado Marcelo Belinati (PP) foi arquivado em 2017. Em Minas, a Secretaria de Estado de Educação informou que não há previsão de adesão à novidade. “Não há qualquer proposta de alteração no horário de início das aulas nas escolas na rede pública estadual em 2020”, informou em nota.

Falta de sono deixa celulas mais lentas

Ao acordar muito cedo para irem à escola, os adolescentes passam a sofrer uma restrição de sono durante os dias da semana, levando-os à dificuldades no aprendizado, explica a vice-presidente da ABSono e especialista em cronobiologia, Claudia Moreno. “Os adolescentes têm naturalmente um atraso de fase em seus ritmos biológicos, característico da puberdade, o que os leva a sentir sono mais tardiamente quando comparados a crianças”, afirma. O tema “É possível mudar os horários escolares?” faz parte da programação do Congresso Brasileiro do Sono, que será realizado de 4 a 7 de dezembro, em Foz do Iguaçu.

Fonte: otempo

 

Comentários