Protestos marcam início da greve dos servidores do Hospital Regional em Patos de Minas

logo-face
logo-face
Protestos marcam início da greve dos servidores do Hospital Regional em Patos de Minas

Servidores do Hospital Regional Antônio Dias Maciel (HRAD) iniciaram greve, nesta manhã de quinta-feira (07). A paralisação acontece em todo Estado, após determinação geral dos funcionários da Fundação Hospital do Estado de Minas Gerais (FHEMIG) recusarem proposta de reajuste salarial do Governo Mineiro. Além disso, eles manifestam repúdio a ideia de transferir a administração da saúde pública para as Organizações Sociais (OS).

Em entrevista à Rádio Clube 98, a delegada do Sindicato Único dos Trabalhadores em Saúde do Estado de Minas Gerais, Agda Helena Vieira, explicou que a categoria ainda espera nova reunião com representantes do Estado. “Nós já estávamos em greve e aguardando um movimento do Governo. E esperamos uma reunião com os representantes do Governo”, disse ao repórter Otaviano Marques.

A maior indignação dos funcionários do Regional é com que eles classificam de privatização da unidade. O Governo Mineiro estuda transferir a gestão dos hospitais públicos para as OS. “Esse Governador não pode fazer isso não. Simplesmente chegar e entregar o Hospital pra uma empresa que vai cobrar muito caro para administrar e fechar as portas”, disse à Rádio Clube 98.

A greve tem período indeterminado e os servidores prometem não ceder. Além disso, a categoria disse que procura mais apoio da sociedade em prol da causa. “É um momento único que nós estamos vivendo. Nós não podemos esperar. Pedimos pra que o Governador tire isso da cabeça e a população se conscientize”, declarou.

Por: redação Clube Notícia.

Comentários

  • Na Real

    Comentário enviado em - 07/11/2019

    Segundo a "Organização Mundial de Saúde", a gestão da saúde brasileira é muito mal gerida, o país gasta o triplo que a media mundial, por um simples tratamento! Aqui o cabide de emprego, é muito grande! Esta "delegada", em questão, nunca fez um simples concurso, para entrar no serviço, e muito menos para ser servidora da saúde publica! Ela entrou para o serviço publico, por "QI"(QUEM INDICA), foi contratada, naquela armação da Gestão do José Humberto, que até já condenado, pela pratica de contratação sem licitação, entrou, se em garranchou, por meio do "Sindicato", não tem qualificação nenhuma em termo de saúde, entrou para fazer o chamado serviço de auxiliar de limpeza, esta lá até hoje só fazendo barulho, acho até que não sabe pilotar nenhuma vassoura ou rodo, mas é ótima para agitar e fazer "Greve"! Esta é a funcionária publica de um hospital publico que esta preocupada com a saúde da população!