Fiscalização inviabiliza trabalho de músicos em Patos de Minas; categoria cobra providências

logo-face
logo-face
Fiscalização inviabiliza trabalho de músicos em Patos de Minas; categoria cobra providências

Músicos de Patos de Minas estão, mais uma vez, revoltados. A fiscalização da música ao vivo, em bares e restaurantes da cidade, continua e muitos desses profissionais estão sem opções para tocar. A briga é antiga e evolve poluição sonora. De um lado, a Prefeitura notifica e multa os estabelecimentos por excesso de barulho. Do outro, os artistas afirmam que o som nesses espaços é ambiente e não ultrapassa 60 decibéis, limite máximo definido por lei. 

De acordo com o presidente da Associação dos Músicos de Patos de Minas (AMP), Ivan Rosa, uma sugestão para resolver o impasse já foi entregue ao prefeito José Eustáquio (DEM), mas, até o momento, nada foi feito e a categoria reclama. “Uma instrução normativa de BH foi entregue ao prefeito, eu estive com ele e estamos aguardando. Infelizmente, a negociação ainda não avançou. Nós entendemos que é muito importante pra cidade isso ser regularizado”, disse em entrevista para a Rádio Clube 98.

Segundo informações enviadas ao jornalismo do Clube Notícia, alguns bares foram multados na última semana e proibidos de executar música ao vivo. O presidente da AMP ressaltou que essa fiscalização abre brecha para interpretações duvidosas, como por exemplo, cobrança seletiva. “Se quer fiscalizar, vamos fiscalizar todo mundo. Só por que a gente é do baixo ‘clero’?”, indagou.

Outra reclamação, que chegou a redação do Clube Notícia, diz respeito ao tratamento dado pelos fiscais nessas situações. Muitos alegam que os servidores são indispostos, ou seja, não apresentam muito empenho para prestar esclarecimentos.  

Por: redação Clube Notícia.

Imagem: Ilustração Google. 

Comentários