Secretária municipal de educação demonstra preocupação com o possível fim do FUNDEB

logo-face
logo-face
Secretária municipal de educação demonstra preocupação com o possível fim do FUNDEB

Em entrevista à Rádio Clube 98, a secretária municipal de educação, Fabiana Ferreira dos Santos, demonstrou preocupação com o possível fim do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (FUNDEB). O programa, criado em 2008 pelo Governo Federal, se encerra em 31 de dezembro deste ano. No entanto, até o momento, o Ministério da Educação (MEC), não apresentou um plano substituto, ou a renovação do fundo.

“Nós não podemos nem pensar nessa possibilidade. A luta, dos gestores de educação, é pra que essa discussão aconteça o quanto antes. O FUNDEB precisa continuar apoiando a nossa educação”, disse a secretária. Os recursos do fundo, em Patos de Minas, por exemplo, complementa até mesmo os salários dos professores, dentre várias outras demandas da educação.

Fabiana também alertou que, caso o programa seja extinto, será impossível manter as despesas da Educação no Município. “A educação básica, sem dúvida, seria a área mais prejudicada. Um prejuízo imenso pra todos os profissionais e estudantes das redes públicas”, comentou.

O Fundeb é repassado pela União às secretarias estaduais e municipais. Os recursos são uma complementação para a educação básica, que vai do ensino infantil ao médio. A lei atual prevê o fim do fundo em 2020 e, por isso, o Congresso discute um novo formato para restabelecê-lo.

Por: redação Clube Notícia.

Comentários

  • Na Real

    Comentário enviado em - 07/10/2019

    Será que eu estou enganado?! Na Alemanha, ninguém ganha mais do que qualquer "Professor", lá ele é a razão para que todas as outras profissões existam!? Ninguém contesta esta hierarquia, mas sabe o porque disso?! Lá o "Professor" é mestre, é fonte de sabedoria, é luz no fim do túnel!!! Mas aqui, você nem sabe se o "Professor", tem a capacidade de ensinar, se ele é compreendido dentro de uma sala de aula, se ele sabe transmitir conhecimento, se ele se preocupa se o seu "Aluno", apreendeu a matéria ou não?! Mas aqui quando se diz, que tem que haver, uma cobrança em relação a produtividade do "Professor", á classe todinha se desarvora; há porque querem prejudicar a classe! Discutir qualidade do ensino ninguém quer, seja ela do ensino básico até ao curso superior, mas quando é para reivindicar aumento de salário, ou o corporativismo da classe, fazem o maior alarde! Será que a secretária esta realmente interessada no bem social dos alunos, ou faz parte daquela gama: Farinha pouca o meu "Pirão"... primeiro! No dia que a classe do "Magistério", se preocupar realmente com a qualidade do Profissional que eles vão formar, pode ter certeza, que os primeiros a ser beneficiados, serão eles mesmos! Serão estes profissionais que vão defende-los para que tenham um salário condigno com a profissão! Mas por enquanto eles vão fingindo que ensinam... e os governantes, vão fingindo que pagam... Quando o "Sujeito", só pensa em um prato de comida, a sua cognição não deixa ele raciocinar para mais nada, pois dizem que saco vazio não para em pé, mas um cérebro sem conhecimento, não consegue resolver problema algum! Pense nisto... há mas "Professor " no Brasil não pensa... ele só sabe fazer "GREVE"!!!