Romeu Zema já fala em pagar 13º salário de 2019 apenas no ano que vem

logo-face
logo-face
Romeu Zema já fala em pagar 13º salário de 2019 apenas no ano que vem

O governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), já dá indícios de que o Estado não deve ter recursos para pagar em parcela única o 13º salário dos servidores, previsto para dezembro deste ano.

O governo tenta um empréstimo junto a bancos que envolve os royalties do nióbio – recebidos pela Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemig). Anteriormente, a meta do Executivo era conseguir o empréstimo e colocar a folha de pagamento em dia – o que inclui o pagamento do 13º salário.

Porém, em entrevista, Zema demonstrou dificuldades com a operação. Ele afirmou ser complicado conseguir um empréstimo grande, porque há tendência de que as instituições financeiras sejam mais rigorosas para assumir “certo nível de risco”.

“Temos feito de tudo para deixar essa operação extremamente segura, que isso significa menores taxas (de juros) para o Estado e maior facilidade na concessão de crédito. Está caminhando bem e dentro do cronograma. E o nosso cronograma prevê que ela venha a ser realizada até o início do ano que vem, no primeiro trimestre de 2020”, disse Zema.

Pelo prazo previsto pelo governador, os servidores podem receber o 13º salário até março de 2020. Há também a possibilidade de o pagamento ser dividido em três parcelas (de janeiro a março).

Caso o governo não consiga o empréstimo para fazer o pagamento até dezembro deste ano, o argumento junto aos servidores será o de que, ao menos, a previsão é melhor do que o que foi feito nos últimos anos. Para se ter uma ideia, o funcionalismo de Minas Gerais ainda não recebeu integralmente o 13º salário de 2018.

O valor foi parcelado no final do ano passado para ser pago em 2019. Em setembro, após manifestação de servidores da segurança pública, o governo garantiu que pagaria o 13º salário no dia 21 de dezembro.

Em reunião, o Executivo disse que precisa do empréstimo e também da aprovação do plano de recuperação fiscal para conseguir cumprir as promessas.

A situação não foi recebida com bons olhos por deputados estaduais, que viram na promessa uma nova pressão para que sejam aprovados projetos de interesse do governo na Assembleia Legislativa de Minas Gerias (ALMG).

Fonte e foto: O'Tempo

Comentários