Acusado de tentar matar desafeto é condenado a oito anos de prisão

logo-face
logo-face
 Acusado de tentar matar desafeto é condenado a oito anos de prisão

Ruan Fellipe Reis Pacheco, 26 anos, acusado tentar de matar o desafeto Gabriel Pereira Rodrigues, com disparos de arma de fogo, foi condenado a oito anos de prisão, por tentativa de homicídio qualificada, em julgamento que ocorreu na tarde desta terça-feira (01), no salão de júri  do Fórum Olympio Borges.

O crime aconteceu no dia 9 de setembro, 2012, em um bar que fica na Rua Alceu Pereira Cardoso, Bairro Jardim Panorâmico. De acordo com os autos do Ministério Público, o autor e a vítima tinham uma desavença relativa a uma divida de uma arma de fogo, a qual foi emprestada por Ruan a Gabriel, que posteriormente foi apreendida pela Polícia, gerando discussões e agressões entre eles.

Ruan começou a cobrar a divida, querendo ser ressarcido do prejuízo da perda da arma. No dia do crime, Gabriel se encontrava no bar em companhia de amigos e que em certo momento, Ruan chegou ao local em uma bicicleta dizendo: “Vamo desembolar nois dois”.

Gabriel retrucou com os seguintes dizeres: “Demorô, cola ali então”. Após as trocas de farpas, Ruan desceu da bicicleta, sacou uma arma e foi em direção a Gabriel falando: “Morre desgraçado, morre!”. Ao se levantar da mesa, Gabriel foi atingido, a princípio, por um tiro na virilha, depois o autor desferiu mais quatro, acertando a bexiga, o fígado, o reto e as alças do estômago.

Ainda não satisfeito, Ruan partiu para cima da vítima e desferiu pontapés e coronhadas na cabeça da vítima. Gabriel foi socorrido e conseguiu sobreviver, após receber atendimento médico, mas ficou  com algumas sequelas, devido aos graves ferimentos que sofreu.

Depois de algumas horas de julgamento, Ruan Fellipe Reis Pacheco foi condenado a oito anos por tentativa de homicídio qualificada torpe.

Comentários

  • Na Real

    Comentário enviado em - 02/10/2019

    Vou ser "SUCINTO", vai se ressocializar...VAI NÃO, NÃO VAI NÃO! Tem todos os agravantes, mas a judiciário, não consegue ajuntar todas as peças de um tabuleiro, e formalizar uma denúncia consistente, para deixar este criminoso, mofando na cadeia para servir de exemplo! O nosso "JUDICIÁRIO", é como ração de crescimento, não é como aquele veneno, que extirpa o mal pela raiz, mas que dár-se, incentivo ao crescimento... á "IMPUNIDADE!!!