Ruy Muniz foge das perguntas, tumultua reunião e alega que foi ofendido por vereadores; houve até boletim de ocorrência

logo-face
logo-face
Ruy Muniz foge das perguntas, tumultua reunião e alega que foi ofendido por vereadores; houve até boletim de ocorrência

O plenário da Câmara Municipal, na tarde desta quinta-feira, dia 14 de março, foi palco de um bate-boca. Em pauta, a crise do Hospital São Lucas (HSL), mas, na prática, a população e os pacientes da unidade continuam sem respostas. Ruy Muniz, político e proprietário da empresa que administra o HSL, foi convocado para responder perguntas dos parlamentares. No entanto, nenhum dos questionamentos recebeu resposta satisfatória, na avaliação dos vereadores.

Na prática, os verdadeiros problemas do hospital não chegaram a ser debatidos. Muniz conseguiu fugir das respostas e chegou a ser chamado de “garoto propagada” pelo vereador João Bosco de Castro Borges, o Bosquinho (PT). “O senhor vem aqui para fazer propaganda e debochar da cara da gente. O senhor é um garoto propaganda. Eu quero saber é do São Lucas”, disse, irritado. O empresário respondeu e afirmou que trataria da questão, mas não apresentou informações precisas sobre os problemas do hospital.

Durante o pronunciamento, Muniz acusou fornecedores e ex-funcionários do São Lucas de sabotarem o setor de hemodiálise. “Nossos equipamentos foram sabotados! Investiguem isso. O senhor Luizinho mexeu nas nossas máquinas e elas ficam estragadas no natal. Isso foi sabotagem!”, disse. Após ser citado, o prestador do serviço registrou um boletim de ocorrências contra Ruy Muniz. A empresa que terceiriza o centro Oncológico AZ, também de responsabilidade HSL, foi algo de acusações. “O senhor Olamir quer que Patos de Minas seja descredenciado do SUS. Por que ele tem interesse na cidade Patrocínio”, afirmou em plenário.

No geral, a participação de Ruy Muniz foi tumultuada e sem consenso. Nem mesmo o presidente da Casa Legislativa, vereador Vicente de Paula Sousa (DEM) conseguiu conter os ânimos. O vereador Francisco Carlos Frechiani (DEM) chegou a sugerir que Muniz recebesse o título de persona non grata. “Se eu fosse você, presidente, mandava esse cara ir embora”, comentou Chico. Antes de deixar a reunião, Muniz disse que “foi maltratado desde o início”. Os problemas do hospital não foram discutidos.

Comentários