Casal é preso, após espancar os filhos, de sete e cinco anos; eles disseram que o método é para ‘educar’

logo-face
logo-face
Casal é preso, após espancar os filhos, de sete e cinco anos; eles disseram que o método é para ‘educar’

Um casal foi conduzido para a Delegacia, após agredir os dois filhos. O fato aconteceu nas Chácaras Pôr-do-sol, na zona rural de Patos de Minas. Os meninos, de cinco e sete anos, apresentavam hematomas e ferimentos pelo corpo.

Segundo informações da Polícia Militar, o Conselho Tutelar pediu apoio a Polícia Militar para apurar uma denúncia de agressão. Os militares foram ao local e na residência estavam a mãe e mais quatro crianças, sendo um menino de dois anos, uma menina de cinco anos e dois gêmeos de sete anos do sexo masculino. As crianças alegavam que foram agredidas pelo padrasto, porém ele não estava no local.

Durante conversa com as crianças, elas mostraram aos policiais as marcas de agressões sofridas pelo padrasto. Segundo Sargento Joel, a menina de cinco e um dos meninos de sete anos apresentavam estar mais lesionados. O policial disse também que esta não foi a primeira vez que houve agressões. Ainda de acordo com a Polícia, os vizinhos relataram que durante o sábado e no domingo, foi possível ouvir gritos de choro de crianças durante a noite.

A mãe, de 29 anos, foi conduzida para a Delegacia de Polícia Civil. Os policiais realizaram rastreamentos e encontraram o padrasto, de 28 anos, trabalhando na zona rural. A princípio ele negou, mas depois acabou confessando ter agredido as crianças para educá-las.

As crianças relataram ainda que havia um pedaço de corda a qual o padrasto deixava próximo à porta para intimidar os meninos. A mulher e o homem foram orientados pelos os policiais, além de serem conduzidos para a Delegacia.

As crianças foram levadas pelo Conselho Tutelar até o Instituto Médico Legal – IML de Patos de Minas para que o médico legista faça um laudo médico sobre as lesões sofridas por elas. Os conselheiros devem providenciar uma guarda provisória até o caso seja decidido pela Justiça.

Comentários